O Formato ePub: Por Onde Começar?

Das poucas unanimidades que ouvi no Congresso do Livro Digital, uma delas foi sobre o uso do ePub. De ScrollMotion a Barnes & Noble, do IDPF à Saraiva, todos afirmaram e reafirmaram que o ePub é o padrão e veio para ficar.

Ato contínuo, assisti surgir uma nova unanimidade. Para um grande número de editores, o ePub foi uma tremenda novidade. A tal ponto, que alguém da platéia perguntou, durante a palestra de Michael Smith, presidente do IDPF, qual a origem do formato ePub. A pergunta ilustra o enorme salto que deve ser dado pelos editores no Brasil: sair do desconhecimento generalizado, para a adoção maciça, em um curto espaço de tempo. Adotar o formato ePub será indispensável para qualquer editora com prentensões sérias no mercado.

O básico sobre ePub

Trata-se de um padrão internacional para e-books, livre e aberto, organizado por um consórcio de empresas chamado IDPF – International Digital Publishing Forum. Encabeçam o IDPF empresas como Sony, Adobe, Microsoft, entre várias outras.

Confira os cursos da Simplíssimo sobre o formato ePub e produção de e-books

O ePub é um arquivo produzido em XHTML, basicamente os mesmos códigos usados por uma página simples da Internet (HTML), acompanhado de uma folha de estilos .css para o controle do design e da diagramação. Imagens e fotos são embaladas, junto com o conteúdo – um arquivo para cada capítulo, em um arquivo com extensão .ePub. Essa extensão é reconhecida pelo computador, também, como um arquivo compactado.

Ou seja, o ePub é feito de tecnologias e linguagens já dominadas pelas pessoas. Como disse o Sérgio da DM9DDB durante o Congresso do Livro Digital, o editor que quiser criar livros em ePub só precisa contratar um programador de HTML4, que ele saberá perfeitamente como criar livros em ePub. A afirmação do Sérgio está correta!

A adoção do formato ePub, internacionalmente, decorre de duas necessidades básicas. A primeira, estabelecer um padrão aberto para os e-books, que não pague royalties para nenhuma empresa e possa ser aperfeiçoado ao longo do tempo, à medida que o mercado evolui. A segunda, bastante prática, é permitir que o livro possa ser lido pela maior quantidade de aparelhos e programas possíveis, usando apenas um formato, para economizar tempo e dinheiro através de toda a cadeia de produção de e-books. Por isso, a escolha da linguagem XHTML e a simplicidade do formato ePub foram decisões refletidas, que visaram facilitar a adoção e o emprego do formato sem maiores dificuldades e investimentos.

E-book da Simplíssimo aberto no Opus, e-reader da Cybook

Um livro feito em ePub permite que a leitura seja uma experiência boa em qualquer tipo de tela, independente do tamanho, ou do sistema. Pode-se aumentar ou reduzir o tamanho da fonte, alargar ou diminuir o tamanho da página. Com isso, é possível ler o mesmo e-book, o mesmo arquivo, em vários aparelhos, tanto faz se a leitura é no celular, no iPhone, no Sony Reader ou no PC. O texto é redimensionado automaticamente para o tamanho da tela.

Indo um passo além:
vantagens e produção

Há uma enorme vantagem operacional para os editores, que adotam o formato ePub. Um arquivo ePub é escrito em XML. Essa é a linguagem do futuro. Conteúdos escritos podem ser facilmente convertidos por ferramentas automáticas, quando estão marcados na linguagem XML. Simplificando bastante, o XML permite classificar cada trecho de um texto com um determinado rótulo. Hoje isso pode parecer pouco importante. Daqui alguns anos, porém, com o progresso da Internet e o surgimento do que os pesquisadores chamam de “Web Semântica“, esse tipo de classificação será extremamente útil para relacionar, linkar e gerar novos conteúdos online. Ter seus livros, desde já, em XML, representa uma vantagem competitiva e uma economia considerável em investimentos, alguns anos a frente.

Livro em ePub aberto no iPhone, através do app Stanza

O mesmo livro em ePub, visto no Sony Reader. O texto redimensionável permite a leitura em vários aparelhos, mesmo com tamanhos diferentes

Alguém irá fazer a objeção de que publicar e-books apenas em PDF é possível. Sim, é claro que é possível. Mas a flexibilidade para criar e distribuir conteúdo, no PDF, é muito menor. A leitura só fica boa, e olhe lá, em alguns computadores. E mesmo assim, a experiência de leitura é fraca, já que é necessário o scrolling constante da tela, tanto na horizontal, quanto na vertical. Para efeitos de cognição, a leitura deve ter a menor distração possível. Além disso, os leitores não são bobos. Eles sabem como é fácil criar um PDF, e publicar somente um PDF indiscutivelmente derruba o valor intrínseco do e-book. Afinal, com um PDF o editor está oferecendo só o basicão.

Transformar para ePub um PDF, InDesign, Quark Xpress, Word e outros, não é tarefa fácil. Existem ferramentas que transformam PDF’s e documentos automaticamente em ePub, das quais a melhor e mais conhecida delas é o Calibre, um programa gratuito. Para um nível profissional de produção do ePub, o Calibre é insuficiente. Quem espera vender e-books, precisa investir em aprendizagem, treinamento e testes, muitos testes. Aqui na Simplíssimo, estamos prontos para oferecer serviços de conversão de qualidade aos editores brasileiros, aplicando, na prática, o que parece ser apenas teoria.

A produção de um e-book em ePub demanda o conhecimento dos padrões do ePub, ferramentas adequadas para a produção (embora, teoricamente, qualquer editor de HTML possa ser utilizado), um ambiente de teste da qualidade final dos arquivos produzidos e – fundamental – a utilização inteligente das tags de classificação do livro, os metadados, que substituem no mundo eletrônico a velha ficha catalográfica. Mais importante ainda do que o formato ePub em si, o editor precisa estar muito atento à qualidade dos metadados agregados ao seu e-book. É através deles que os buscadores (Google, etc) e os sistemas das livrarias online localizarão o livro. Considerando que a maior parte das vendas online de e-books ocorrem através de buscas, a precisão e o fornecimento correto dos metadados são críticos para a venda – ou não – de um e-book.

Amanhã: simplicidade e facilidade

eduardo cabral de meloO Formato ePub: Por Onde Começar?

Comments 22

  1. Marcio Duarte

    Muito boa introdução ao formato. Infelizmente o ePub ainda não é o formato ideal de livro eletrônico, principalmente quando se quer explorar interatividade e multimídia (áudio/vídeo) e, acima de tudo, manter um controle tipográfico preciso; nesse ponto o PDF é melhor, mas tem seus próprios problemas, como citou. Talvez uma nova versão do ePub venha a sanar estas deficiências. Em relação aos editores de ePub, tem razão, ainda são muito amadores. O Adobe Indesign tem sido uma boa alternativa, já que pode ser usado para a versão impressa do livro também, e talvez venha a se tornar “O” editor de ebooks, seja no formato ePub, sejam apps para o iPad (pelo menos essa é a ideia da Adobe). Mas tudo isso ainda é só expectativa, ainda falta uma solução mais profissional.

  2. Fabio Dipedra

    Muito bom o artigo! Como designer editorial estou lendo muito a respeito das publicações digitais e acredito que em breve o pub terá muitas melhorias no futuro assim como ocorreu com o HTML e o próprio PDF.
    Não acho que um livro digital com que pode ser lido em diversos aparelhos deva ter um controle tipográfico, o PDF funciona em alguns casos mas para um livro digital em sua verdadeira concepção é limitado demais! No ePub falta ainda possibilidades mais avançadas de multimidia e interatividade, mas o caminho é esse!

  3. Marcio Duarte

    Fabio, tirando a questão estética de lado, controle tipografico significa também um texto mais claro e específico, honrando o significado e o caráter do texto, por meio da aplicação de símbolos apropriados para cada situação, inclusive em vários de idiomas. Elementos como ligaduras, frações e listas em cascata, por exemplo, são elementos tipográficos básicos e ainda são problemáticos no ePub – apesar da grande parcela de culpa dos softwares dos eReaders.

  4. Pingback: Indesign: eBooks no InDesign – parte 1 | MXStudio

  5. Pingback: Positivo Alfa – um review | supercaras

  6. Post
    Author
  7. Paulo Brito

    Eu queria transformar um pdf em um e book ou ePub para colocar no meu iPad e ainda não sei. Alguem pode me ensinar?
    abs
    Paulo Brito

  8. Post
    Author
  9. André

    Oi, como faço para colocar imagens ao lado to texto no formato ePub? Estou produzindo pelo indesign. Se colo ela no fluxo de texto, ela fica no final do arquivo e, se ancoro, ela assume o local onde a âncora foi colocada e não a posição correta. Estou certo em usar o Indesign?

  10. Fabio

    Amigos

    Com relação aos direitos autorais, é possível colocar senha no epub de tal forma que somente quem comprou o livro tenha acesso ao mesmo? Isso para dificultar a pirataria ?

  11. Post
    Author
    eduardo melo

    Oi Fabio, nenhuma livraria faz isso que vc menciona, que eu saiba. Abr. Eduardo

  12. namekuseijin

    DRM só dificulta a vida de quem comprou um ebook legalmente e pode querer lê-los em vários dispositivos diferentes, não para nossos amigos bucaneiros, para quem remover DRM é tão fácil quanto roubar doce de criança.

    Infelizmente, a realidade é que brasileiro não respeita direitos autorais. Pra que gastar 30 reais em um DVD que só vai assistir uma vez, perguntou uma colega minha, de boas condições financeiras. Tá no sangue do brasileiro, em todas as camadas sociais, um fenômeno digno de estudo: se dar bem a todo custo, às custas de quem tem escrúpulos, ao custo de autores de menos e copiões demais.

    Estou sendo muito duro com nossos patrícios, fato é que é fenômeno global: perambulando pelo youtube, vemos vídeos que lá não poderiam estar ou conteúdo de usuário, que envolve ou videocassetadas sem fim como nos primórdios do cinema em fins do século XIX ou, dados os mais criativos, a recriar clássicos reconhecidos das formas mais exdrúxulas possíveis — como tocando música clássica em copinhos de vidro ou criando animações stop-motion com moscas mortas.

    Em uma sociedade sem autores querendo passar fome, com toda a cultura de séculos a um clique de distância, tudo que vemos é reciclagem sem fim. Felizmente, é tudo digital e vai desaparecer quando a eletricidade acabar e quando futuros arqueólogos nos desenterrarem do passado, toda a boçalidade em emails e fóruns terá desaparecido e tudo a restar de nossa cultura serão placas de circuitos impressos, talvez um dia veneradas como obras de arte abstrata em si, ao menos como primor de engenhosidade técnica daqueles primatas em sua silenciosa era digital…

  13. Márcia Romero

    Olá, pessoal. Alguém poderia me dizer se dá para fazermos um xml estruturada no Indesign?

    Obrigada

  14. Rosane

    Converti um livro de indesign para o formato epub, mas não roda no leitor do Ipad. Só no leitor do Ipad que não roda, em todos os outros vai normal, Pode me ajudar em relação a isso?

  15. Stella Dauer

    Rosane, esse pode ser um erro muito específico. Seria necessário olhar todo o código do seu livro para encontrar um possível problema.

  16. Silvana Zandomeni

    Oi, tenho a mesma dúvida do amigo acima… como faço para colocar imagens ao lado to texto no formato ePub? Estou produzindo pelo indesign. Se colo ela no fluxo de texto, ela fica no final do arquivo e, se ancoro, ela assume o local onde a âncora foi colocada e não a posição correta. Estou certo em usar o Indesign?

  17. Pingback: Caducando, lendo e assistindo.

  18. Pingback: Lendo livros no seu tablet. « Susviela Blog´s

  19. Fabiano l. c.

    Bom dia Sou Deficiente Visual e gostaria de saber se ledor de tela le o epab e se posso aprender como criar estes arquivos com assecibilidade..

  20. Marla Geller

    Caros,

    Gostaria de apresentar o tema ePub para meus alunos e estou preparando um material baseado nos artigos da Simplíssimo. Porém quando abro os artigos, não consigo visualizar as imagens.
    Preciso de algumas images de um livro ou artigo mostrado nos diferentes dispositivos (iPhone, SonyReader, Kindle, etc).
    Como posso obter estas imagens?

  21. Post
    Author
    eduardo melo

    Oi Maria, ajustamos as imagens, já estão aparecendo novamente. Abraço, Eduardo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *